fbpx

Empreendedorismo

Porque eu pedi demissão no marketing da Itambé

Cassio Diniz
Escrito por Cassio Diniz
3 min de leitura
Porque eu pedi demissão no marketing da Itambé
Junte-se a mais de 500 pessoas

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Já comentei algumas vezes com vocês sobre a minha decisão de pedir demissão na Itambé, onde eu era o responsável pelo marketing do food service. Pra quem ainda não está por dentro dos fatos, meu último dia na empresa foi no dia 1º de agosto de 2019, logo após finalizar a FIPAN (a maior feira de panificação da América Latina).

Lá na empresa eu era responsável pelas parcerias com os influenciadores, organizava os eventos, acompanhava todo o trabalho da agência que cuidava das redes sociais, cuidava de identidade visual com os hotéis parceiros, dentre outras coisas.

Desde 2017 eu comecei a buscar o autoconhecimento, através de terapia, do eneagrama, do thetahealing e dos treinamentos de imersão que fiz através do @institutovocebh, usando as técnicas da programação neurolinguística (PNL). Esses treinamentos foram fundamentais para perceber o meu valor, valorizar quem eu sou e me dar coragem de ir em busca dos meus sonhos.

Fiz um treinamento (Você) que me mostrou que eu sou capaz de ir muito mais longe do que eu pensava! Fiz outro treinamento (Diamond) que me ensinou a ter atitude e coragem pra realizar meus sonhos. Depois desses dois treinamentos, eu tomei coragem e pedi para sair da empresa. 

O autoconhecimento me mostrou que tá tudo bem eu não querer ficar trancado dentro de um escritório de 7h às 17h, passando duas horas do meu dia dentro de um carro no caminho casa / trabalho / casa. No eneagrama, que é um estudo de personalidades onde existem 9 tipos e algumas variações, eu descobri que sou um tipo 7 e que como eu tive uma experiência de quase morte quando estava na barriga da minha mãe, eu nasci com uma vontade enorme de viver.

Por isso eu sou assim, cheio de vida e com uma baita vontade de viver, de fazer diferente e fazer diferença na vida de quem acompanha o meu trabalho. A vida é muito curta pra eu não mudar a vida de alguém.

Olá, confeiteira!

Gostou deste conteúdo? Aproveite para deixar a sua opinião nos comentários.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *